colapso

COP28: Ações imediatas e vontade política podem evitar colapso da Terra – Guterres

Dubai, 01 dez 2023 (Lusa) – O secretário-geral das Nações Unidas afirmou hoje, na abertura da Cimeira Mundial de Ação Climática, no Dubai, que ainda é possível evitar o “colapso e incêndio do planeta” se os países agirem “agora”, com liderança, cooperação e vontade política.

Discursando na cerimónia de abertura da reunião de líderes políticos integrada na 28.ª conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas (COP 28), António Guterres exortou os países a adotarem medidas urgentes para a “reduzirem drasticamente as emissões”, acelerarem a transição justa e equitativa para as energias renováveis, e promoverem uma justiça climática que proteja os países em desenvolvimento.

O secretário-geral da ONU começou por felicitar o presidente da COP28, Sultan Ahmed Al Jaber, pelo “início positivo” da conferência, “com uma aprovação rápida da agenda e a operacionalização histórica do Fundo para Perdas e Danos”.

Recordando que no espaço de pouco tempo presenciou em dois pontos distantes do planeta – Antártida e Nepal – o derretimento da calote polar e a fusão de glaciares, Guterres disse que o desaparecimento do gelo polar e dos glaciares, à vista de todos, está a causar danos em todo o mundo, desde deslizamentos de terras e inundações até à subida dos mares, uma “doença” que os líderes mundiais “podem curar”.

“Os sinais vitais da Terra estão a falhar: emissões recorde, incêndios ferozes, secas mortíferas e o ano mais quente de sempre. Estamos a milhas dos objetivos do Acordo de Paris – e a minutos da meia-noite para o limite de 1,5 graus. Mas não é demasiado tarde. É possível evitar o colapso e o incêndio do planeta. Dispomos das tecnologias necessárias para evitar o pior do caos climático – se agirmos agora”, afirmou.

Lembrando que o painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas traçou “um caminho claro” para limitar o aquecimento global a 1,5 ºC acima dos valores médios da era pré-industrial, o secretário-geral da ONU frisou que para tal é necessário “liderança – cooperação – e vontade política” e é necessário “agora”.

António Guterres chamou a atenção para o facto de o aquecimento global “estar a rebentar orçamentos, a fazer disparar os preços dos alimentos, a perturbar os mercados energéticos e a alimentar uma crise de custo de vida”.

Para o responsável da ONU, a ação climática pode mudar a situação e as energias renováveis são um caminho certo para o planeta, para a saúde e para a economia.

“O diagnóstico é claro: Em primeiro lugar, reduzir drasticamente as emissões. O G20 – que representa 80% das emissões mundiais – deve assumir a liderança. Exorto os países a acelerarem os seus calendários de emissões líquidas nulas, de modo a atingirem esse objetivo o mais próximo possível de 2040 nos países desenvolvidos e de 2050 nas economias emergentes”, afirmou.

Em segundo lugar, António Guterres assinalou a necessidade de acelerar uma transição justa e equitativa para as energias renováveis, porque a meta de 1,5 graus só é possível com o fim dos combustíveis fósseis, de modo a fornecer “energia limpa a todos até 2030”.

“Tenho uma mensagem para os líderes das empresas de combustíveis fósseis: a vossa velha estrada está a envelhecer rapidamente. Não se deixem levar por um modelo de negócio obsoleto. Liderem a transição para as energias renováveis. Não se enganem – o caminho para a sustentabilidade climática é também o único caminho viável para a sustentabilidade económica das vossas empresas”, defendeu.

Guterres exortou os governos a ajudarem a indústria a fazer “a escolha certa”, regulamentando, legislando, colocando um preço justo no carbono, acabando com os subsídios aos combustíveis fósseis e adotando um imposto sobre os lucros inesperados.

Em terceiro lugar, o secretário-geral das Nações Unidas, sublinhou que “há muito tempo que a justiça climática é necessária”, pois “os países em desenvolvimento estão a ser devastados por catástrofes que não causaram”.

“Os custos exorbitantes dos empréstimos estão a bloquear os seus planos de ação climática. E o apoio é demasiado escasso e demasiado tardio”, afirmou, acrescentando que o balanço global deve incluir um comprometimento com o aumento do financiamento, nomeadamente para adaptação e para perdas e danos.

“E tem de apoiar a reforma dos bancos multilaterais de desenvolvimento para mobilizar muito mais financiamento privado a custos razoáveis, frisou, instando os países desenvolvidos a mostrar como vão duplicar o financiamento da adaptação para 40 mil milhões de dólares por ano até 2025 – como prometido – e clarificar como vão cumprir os 100 mil milhões de dólares – como prometido.

A COP28 vai decorrer até 12 de dezembro.

AL // JMR

Lusa/Fim

Voltar ao Topo
Voltar Página Principal
Close Zoom
Context Menu is disabled by theme settings.